Quando a gente une assuntos de extrema importância da atualidade acabamos chegando, sempre, ao ponto de falar da sustentabilidade. Isso também vale para a construção civil, que agora tem um novo modelo de negócio: a construção verde. E aqui você começa a entender sobre o que é plyscraper. Entenda tudo sobre esse tipo de construção em massa.

E antes mesmo de a gente começar a falar da parte mais teórica do assunto, saiba que um dos fatos curiosos é que se antes a ideia de casa de madeira só existia para projetos infantis, hoje a gente tem prédios construídos em madeira com mais 85 metros de altura e 25 andares.

Esse simples fato, que é curioso, também é importante para você entender o conceito de plyscraper, que está ligado totalmente à economia de gás carbônico (CO2) que é usado na construção civil. Sem demorar mais nenhum pouco, vamos logo ao que interessa!

O que é o plyscraper?

A palavra é estrangeira e ainda não tem tradução livre para o português. No entanto, a gente sabe bem o que isso significa na prática. Portanto, saiba que é um arranha-céu que é feito, ao menos em partes, com o uso da madeira.

Ou seja, é o que a gente já conhece, aqui no Brasil, como a construção de edifícios em madeira. Só que quando se usa a expressão de “plyscraper” quase sempre a gente se refere a uma construção em massa. Portanto, de grandes edifícios, estruturas e com muita madeira.

Então, ainda que pareça um assunto distante da nossa realidade, saiba que está mais perto do que muitos brasileiros imaginam.

Tanto é que aqui já temos até fábrica de lâminas de madeira que são usadas na construção de casas, escolas e até mesmo hotéis feitos com esse material, que é totalmente ecológico e sustentável. Há alguns dias, fizemos uma matéria falando sobre a construção de casas em CLT.

Por curiosidade, saiba que hoje em dia a Torre Mjosa, que fica na Noruega, é considerada o plyscraper mais alto do mundo. Ou seja, esse é o edifício em madeira mais alto que existe, com 85,4 metros de altura. E há projetos para construções ainda maiores para os próximos anos.

Entre os mais conhecidos atualmente construídos, também podemos falar do Terrace House, que fica no Canadá e tem 19 andares, além do HoHo que fica na Áustria e possui 24 andares. Ah, tem também o Ascent, nos Estados Unidos, com 25 andares.

O sucesso dos plyscrapers no mundo

A gente acabou de ver o que são os plyscrapers. No entanto, ainda não respondemos à pergunta sobre os motivos que fazem eles serem tão bem-vistos nos dias atuais. Entre tantas vantagens, dá para falar da nova forma de criar madeira compensada.

E a gente vai falar um pouco mais disso porque é um assunto que interessa não apenas os leitores que gostam das casas de madeira como também aqueles profissionais da área da construção civil, que estão sempre em busca de ideias ecológicas para criar seus projetos.

Para sermos francos e muito didáticos, deixando a linguagem técnica um pouco de lado, considere que essa produção de madeira compensada é assim: ela envolve lâminas de madeira que são coladas em ângulos de 90 graus. Depois, são pressionadas, tornando-se estruturais.

É claro que a explicação poderia ser muito mais detalhada. Só que a ideia desse texto não é falar sobre a produção delas e sim sobre o sucesso que elas fazem no mundo todo.

Tanto é que, como diz Roma Agrawal, que é um engenheiro que construiu o prédio de madeira The Shard no centro de Londres: “essa tecnologia mudou toda a face da madeira como material de construção”.

A economia de CO2 na construção civil

Pontuando tudo o que falamos acima: explicamos o que é plyscraper e depois falamos do sucesso que esses prédios estão fazendo devido à nova forma de produzir madeira, correto? Porém, ainda não falamos como essa é uma opção de construção verde no mundo todo.

A explicação é muito simples. As árvores, quando atingem determinada idade, conseguem absorver muito carbono ao longo da vida. Porém, após essa idade elas passam a não absorver tanto CO2 assim. Aí sim, entra a ideia de usá-las como madeira maciça.

Alguns especialistas falam que essa ideia de usar a madeira na construção civil, após essa idade que elas atingem, beneficia demais a vida útil delas, evitando a decomposição do material. Eles acreditam, inclusive, que a vida útil é prolongada em até 200 anos, como está no site Mais Floresta.

Na mesma matéria, a gente pode ler um trecho que cita que as outras vantagens, além da pegada ecológica, poderiam fazer da construção de madeira em massa uma nova cultura para todas as empresas de arquitetura do mundo.

No Brasil, vale a pena apostar em plyscraper?

Se você realmente está fazendo essa pergunta é porque ainda não entendeu direito que estamos falando do futuro da construção civil. Mas, pode ficar tranquilo que dá para aprender mais e se atualizar sobre isso. Afinal, o congresso My Wood Home acontece em maio. 

Então, para que você tenha apenas uma ideia do que poderá aprender lá, confira aqui alguns dos temas que serão expostos, discutidos e mencionados nas palestras, que acontecem online, pela internet e podem ser acessadas por todos os interessados:

  • O futuro da construção civil (Calil Neto, da Rewood)
  • Arquitetura em madeira (Akemi Ino, do IAU)
  • Engenharia em madeira (Daniel Salvatore)
  • Processamento da madeira para construção (Gabriel Marques, da SERF)
  • A melhor madeira para a construção de casas (Reinaldo Ponce)
  • O uso da madeira engenheirada (Alan Dia, da Crosslam)
  • Projetos em estrutura de madeira (Guilherme Stamato)
  • Construção de edifícios em madeira (Patrick Reydams, da Amata Brasil)

Inclusive, esses são apenas alguns dos temas que o participante terá direito a conhecer durante o congresso. Agora, se você está doido para saber sobre esse mercado, tão ecológico e promissor, acesse a programação do My Wood Home e saiba mais (http://mywoodhome.com.br/programacao/) e aproveite para já fazer a sua inscrição.