Depois de um século dedicado a outros materiais, a madeira é mais uma vez vista como
uma opção na construção de grandes projetos e estruturas. Combinando
sustentabilidade, qualidade e produtividade em seu uso, especialistas postulam-no como o
material do futuro, começando a validar suas ideias com estruturas resistentes,
leves e rapidamente habitáveis. A reavaliação de sua nobreza, um exemplo nacional
e o legado internacional a apoiam.

No dia 25 de maio de 2018, foi realizada a comemoração da entrega final do primeiro bairro eco-sustentável, onde 365 famílias foram beneficiadas após a inundação de 2015. Casas que se destacam até hoje por suas qualidades de construção e altos padrões verdes, além de sua característica mais importante: são casas 100% feitas de madeira.


“Eu sempre digo que é um presente de Deus” são as palavras que Veronica usa para descrever
este momento. Ela foi uma das quase 11.000 vítimas que perderam suas casas. Na esteira dessa catástrofe, um vasto plano de reconstrução começou a ser desenvolvido para recuperar os espaços afetados. Dentro deste projeto, foi inserido o “Barrioecosustentable Oasis de Chañaral y El Salado” promovido e desenvolvido pelo CENTROUC de Inovação en Madera da Pontificia Universidad Católica de Chile, após convênio com o Ministério da Habitação.


Verônica e sua família fizeram parte dos 365 beneficiados com uma das casas que constituem essa obra, obtendo uma casa única em termos de qualidade e tecnologia. “É super confortável e aconchegante”, diz ela sobre isso, depois de dois anos como proprietária, “Nesta época de inverno, ter esse tipo de construção que está isolando tanto do frio quanto do calor, (…) torna-se um milagre.


Essa característica é apenas um reflexo da variedade de inovações que a CIM UC aplicou na
concepção e construção deste projeto. Realizadas pela construtora Armas, as casas se destacam por serem construídas inteiramente em madeira industrializada, em um tipo de painel projetado pelo centro que permite a circulação de ar. Consequentemente, a temperatura é mantida dentro de casa em uma faixa entre 16ºc e 25ºc 98% do tempo.


A isso são adicionadas estruturas sólidas que absorvem calor, para resistir às condições
ambientais da região, painéis solares tanto para contribuir para o consumo elétrico e
térmico da casa, quanto para uma gestão eficiente das águas residuais nas hortas comunitárias.
“Contribuímos para um projeto sustentável e eficiente construído e projetado para ser referência
na construção de madeira”, descreve Felipe Victorero, diretor adjunto de Transferência do
ICM UC.

Esses projetos responderam a mais de uma década de trabalho do centro de pesquisa,
visando gerar respostas que unam sustentabilidade, eficiência e qualidade. A
reconstrução de Chañaral e suas condições foram a oportunidade perfeita para testar
isso. “Fomos presenteados com a oportunidade de entregar transferência de tecnologia, (…)
apostar em um material que, em relação aos outros, é muito mais ecológico e amigável
ao meio ambiente”, acrescenta Victorero.


“O Bairro Eco-sustentável nos permitiu continuar avançando em nossa agenda”, diz o
vice-diretor, sobre um plano de expansão para a construção de madeira que busca revalorizar um material conhecido sob uma forma de gestão que poderia transformá-lo naconstrução do futuro.

O retorno da madeira à vanguarda

Pensar na construção de madeira vai além de casas de emergência, respostas
habitacionais rápidas e frágeis que recebem de forma efêmera, ou que realmente não têm características de segurança. Apesar da preponderância no último século de estruturas de aço e concreto, a madeira tem evoluído constantemente em um caminho de modernização que aumenta suas qualidades e fortalece suas fraquezas.


O desenvolvimento de processos como a industrialização da madeira, onde os painéis são construídos após o levantamento do edifício, ou o surgimento de materiais como a Madeira Laminada Cruzada (CLT) têm sido fundamentais para esse processo, levando as estruturas a um novo e superior padrão de qualidade.


Nesse sentido, o Diretor Acadêmico do CIM UC, Pablo Guindos, aponta em seu texto
“Fundamentos do projeto e construção em madeira” que “esse estímulo de novas tecnologias com madeira, (…) está conduzindo a vontade de desenvolver construções com madeira. Construções que estão utilizando características anteriores e recentemente observadas para se tornarem uma resposta a vários problemas aspectos para o futuro.


Entre os pontos técnicos que estão colocando a madeira na vanguarda estão
sua capacidade como isolador acústico e térmico. No caso do primeiro, o materialamortigua
soa convertendo-os de energia sonora para calórico, impedindo assim que a lavibração
continuasse seu avanço.


O isolamento térmico ocorre de forma semelhante, pois a onda de calor também veimposibilitada sua
marcha através do material. Ao contrário do que você pensa, a madeira absorve o calor lentamente e tem um ponto de calor alto específico, que é possível reforçar com o trabalho tecnológico. Um exemplo disso é visto na floresta das casas de Tamara, onde eles têm quatro vezes mais resistência ao fogo do que o que a lei exige.

A isso estão qualidades adicionadas, como a resistência aos movimentos telluricos através
da tecnologia ATS, que consiste na incorporação de barras de aço tensionadas dentro da estrutura de madeira. Este recurso é o que permite aumentar a resistência sísmica desses edifícios. Prova disso é o primeiro edifício de 6 andares no Chile construído em madeira, a Torre Experimental Peñuelas, localizada na Reserva Nacional lagoPeñuelas, CONAF.

Torre Peñuelas é o primeiro protótipo baseado no sistema de construção Marco Plataforma,
e tem como objetivo responder a questões de natureza acadêmica e econômica. Entre as primeiras está a medição do comportamento físico-ambiental do edifício através da instalação de sensores que monitorarão uma série de variáveis como demanda de energia, pontes térmicas, respostas sísmicas e comportamentos higrérmicos.


Quanto aos aspectos econômicos, o edifício permite ter uma avaliação econômica dos processos de pré-fabricação e montagens das estruturas, a fim de poder determinar os custos dos sistemas de construção e avaliar sua viabilidade econômica no contexto nacional.


Superior a essas duas áreas, o principal objetivo da Torre Peñuelas é testar o desenvolvimento
de um sistema inovador de “muros envolventes” para edifícios habitacionais em altura média
de madeira, com atributos certificados de eficiência energética e sustentabilidade, para responder ao desafio do país de reduzir o consumo de energia e reduzir a emissão de gases de efeito estufa durante a construção e vida útil dos edifícios.


Os responsáveis por este projeto são o Centro de Inovação em Madeira da UC Corma (CIMUC
CORMA) em conjunto com o Ministério da Habitação e Urbanismo (MINVU), em colaboração com a
Companhia Florestal Nacional (CONAF), e o Município de Valparaíso, que vem para encurtar a lacuna tecnológica considerando o projeto e construção de uma torre de 6 andares baseada em uma estrutura de madeira, desenvolvimento de diferentes tecnologias e sistemas de construção aplicáveis a diferentes mercados do setor da construção civil no Chile, posicionando-se como referência para o setor.


Por outro lado, a madeira também é instalada como alternativa ecológica e renovável.
“Promover a construção de madeira é relevante, porque é sustentável e amigável ao meio
ambiente”, disse Juan José Ugarte, presidente da Corporação Chilena de LaMadera, “mas o Chile também é um dos países mais relevantes do mundo no setorflorestal, o que nos permite cobrir essa demanda por moradia com recursos próprios”.


Como menciona Ugarte, além da mesma capacidade de madeira quando se trata de ser
aplicada, outra área que levanta essa perspectiva é o potencial de desenvolvimento que nosso país tem. De acordo com dados do site de divulgação de estatísticas florestais, o INFOR, a área total de florestas no Chile é de 15,6 milhões de hectares, o que corresponde a 32% do uso da terra e 21% da superfície do nosso país.

Graças a essas terras, ocupadas em 77% por madeiras viáveis como o Pinheiro Radiata e
o Eucalipto, estima-se que existam quase 20 milhões de m3 de madeira serrada, número que está aumentando e deve dobrar até 2045. Se essa estimativa for realizada, e ligada ao progresso da construção de madeira em maior escala, poderá posicionar a indústria florestal como uma das mais fortes a nível nacional, além de colocar o país como uma potência sólida no campo.


Isso levaria, consequentemente, a um aumento da criação de empregos em torno da indústria madeireira e da construção. A ONU observa, por exemplo, que cada emprego gerado pelas indústrias cria mais 2,2 em outros setores. Essa estatística é aplicada à construção em larga escala com madeira, exigindo profissionais e técnicos, que podem ter cerca de 14 especialidades em um projeto.


Junto com isso, o ponto em que mais ênfase está sendo colocado para chamar a construção de madeira em massa de uma solução futura está em sua sustentabilidade. Ao contrário dos agregados, cuja exploração iniciou uma crise nesse sentido, a madeira não só tem uma pegada de carbono menor em sua produção e uso, mas é o único material que absorve CO2.

O estudo de Mitigação de Carbono, Combustíveis Fósseis e Biodiversidade com Madeira
e Florestas de Yale e Universidades de Washington estima que a substituição de água poderia economizar entre 14 e 31% das emissões de CO2 no mundo, além de reduzir o uso de combustíveis fósseis entre 12 e 19%.

Para maximizar a eficiência do material como produto sustentável e ambientalmente correto
, está disponível o conceito de “florestas sustentáveis”, onde as árvores
encurtadas são continuamente reabastecidas com novas. A nova árvore requer muito mais dióxido de carbono para seu crescimento, o que lhe permite absorver tanto o CO2 gerado pela derrubada de seu antecessor quanto o de outros, além de gerar nova matéria-prima.


O pesquisador da Universidade de Cambridge Michael Ramage explica, em uma
publicação no site da casa de estudos, como essa forma de gerar material daria um anoímbo
completo à construção. Ele observa que “as florestas sustentáveis do Canadá produzem madeira suficiente para abrigar um trilhão de pessoas em perpetuidade, e as árvores florestais reabastecem mais rápido do que seus eventuais ocupantes”.


A isso é adicionada a capacidade construtiva que este ciclo rápido permite. Nesse sentido,
Ramage diz que “as florestas sustentáveis da Europa levam apenas 7 segundos para aumentar o
volume de madeira necessário para um apartamento de 3 quartos, e 4 horas para cultivar um arranha-céu superalto de 300 metros”. Com a quantidade de floresta que se projeta ter no Chile, os números dados por este pesquisador poderiam ser imitados, ou até mesmo superados.

Todos esses problemas aos quais a construção de madeira responde estão
sendo abordados pela comunidade internacional. As Nações Unidas, em sua lista de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, destacam vários deles em eixos como o objetivo de criar cidades e comunidades sustentáveis, trazer produção e consumo para uma resposta ambientalmente consciente e gerar empregos decentes de forma transversal.


A ideia da organização é poder ver essas metas como realidade para o ano de 2030,
trabalho que cada uma das nações-membros tem que realizar por conta própria.
No Chile, a construção com madeira experimentou um aumento significativo no uso desse em 20%, e os avanços alcançados em engenharia, arquitetura, inovação e design com esse material estão em
ascensão, o mesmo processo que diferentes países têm realizado apostando nele em setores urbanos e estruturas de granaltura, verificando os benefícios que ele traz.


O progresso feito pelo mundo


Em julho de 2013, o arquiteto canadense Michael Green estava de frente para um auditório na
Califórnia para comentar que, a partir de 2040, aproximadamente 3 bilhões de pessoas
precisarão de uma casa. Que já hoje 1000 milhões deles viviam nas chamadas “favelas” (áreas residenciais urbanas altamente precárias), e que, em sua opinião, “o desafio para os arquitetos, e para a sociedade na área da construção, era encontrar uma solução para essas pessoas”.


Também naquele auditório ele ofereceu sua ideia de solução: “Temos a ética de que a Terra
cultiva nossa comida. Precisamos nos mudar … para a ética do planeta crescendo nossas casas.” Com esta frase, ele guiou sua palestra de doze minutos sobre construção em massa em madeira, e colocou a semente de um conceito que, nos sete anos seguintes, se espalhou por todos os países desenvolvidos.


Em 2013, Green havia desenvolvido um edifício como um “modelo teórico” para a Universidade de Cornell , em Nova York. Quatro anos depois, mais de 10 edifícios de madeira em todo o mundo excedem 9 andares de altura, e outros 12 estavam em construção, dando espaço ou soluções habitacionais para suas comunidades.


Essa dinâmica tem sido mantida ao longo do tempo, permitindo a rápida expansão do material
e suas novas formas de trabalhar ao redor do mundo. O primeiro edifício a começar esta corrida foi Stadhaus, construído em Londres em 2009. Por 3 anos foi a maior estrutura habitacional de madeira do tipo residencial do mundo com seus 9 andares de altura, até que em Melbourne Forté foi construída, 10 andares e 32 metros de altura. Depois disso, em 2015, outros dois concorrentes foram introduzidos em primeiro lugar: o Cubo em Londres, com 10 andares e 33 metros, e o Treet, 14 andares e 49 metros, localizado na Noruega.

Foi só em setembro de 2017 que os limites foram novamente quebrados, quando a
Universidade da Colúmbia Britânica ergueu Brock Commons, uma estrutura de 18 andares e 53 metros de altura, para abrigar seus alunos. A construção demorou apenas 70 dias e tem capacidade para 404 pessoas, verificando na prática as diretrizes mencionadas por arquitetos e engenheiros.

Atualmente, o registro de altura permanece na Noruega com o edifício Mjøstårnet, na cidade de Brumunddal, a 100 km de Oslo. Concluída em março de 2019 e com uma população circundante de 11.000 pessoas, Mjøstårnet possui apartamentos, escritórios e um hotel no interior, além de ter ajudado a ajustar os padrões de construção de seu país com seu desenvolvimento.

Esses edifícios provaram as reivindicações que colocaram a madeira sob os holofotes, e confrontaram cada uma das dificuldades nascentes para dar origem a projetos ainda maiores, como o Eco Park Stadium, promovido pela Zaha Hadid Architects em Glucestershire, Inglaterra, ou os bairros eco-sustentáveis.


Deste último, destaca-se a proposta de Fælledby Quarters. Localizado em Copenhague, é
o primeiro bairro 100% feito de madeira na Europa, recebendo 7.000 pessoas ao dedicar 7,2 de seus 18 hectares para ser habitat da flora e fauna locais.


O crescimento exponencial da madeira como material de construção maciço e alto
tem sido um caminho de confrontos com fatores e regulamentos socioculturais a nível
internacional. As lições aprendidas nesses processos são a base da confiança que hoje é realizada nessas modalidades construtivas, incentivando e permitindo o desenvolvimento delas além de cada uma de suas fronteiras.

Desafios e propostas crescentes


O cenário em que a construção de madeira paira maciçamente no Chile não é em grande parte exigente do internacional. Atualmente, o Chile mantém um déficit habitacional estimado em 500.000 casas, segundo estudos da Câmara de Construção do Chile, cChC, situação que afeta cerca de 1,5 milhão de pessoas.


Cientes desse problema, especialistas do Centro de Inovação em Madeira da UC desenvolveram
novas tecnologias que permitem a construção de edifícios de madeira em altura, através de um processo industrializado, conseguindo reduzir os tempos de execução e os custos para esse tipo de obras.

Os processos de industrialização são vistos como uma das modalidades com mais
protagonismo como resultado do cenário atual. Devido à crise gerada pelo Covid-19,
consultores do setor veem uma oportunidade para essa opção construtiva, dadas as novas
necessidades de saúde e segurança. Nessa abordagem, especialistas do Conselho
de Construção Industrializada (CCI) esperam que esse novo papel se torne a
tendência futura.


Nesse sentido, Pablo Guindos disse à AICE que o Chile já é um dos países mais
avançados em termos do marco regulatório em torno da construção de madeira, e que o
mesmo centro está trabalhando em conjunto com o governo na atualização de algumas regulamentações, como a norma NCh1198. “À medida que melhoramos todos os sistemas de construção com madeira, também será necessário incorporar variações”, disse.


Por parte do Estado, o Chefe da Divisão Técnica do Minvu, Erwin Navarrete, destacou à
Revista BIM este trabalho colaborativo entre os diferentes atores da indústria para promover
a construção de madeira a partir de todas as bordas possíveis. “Há uma grande convicção
nos setores público, privado e acadêmico de que estamos no caminho certo para
concentrar nossos esforços. (…) isso é vitalmente importante”, disse ele.


Até o momento, várias construções são atualmente erguidas como evidência física do impulso
que a madeira já teve como material no Chile. Desde projetos habitacionais como
o Valle Buenos Aires de Concepción, com 280 casas de 3 metros de altura, até prédios corporativos
como os 10.800 m2 que o CMPC ergueu em Los Angeles, passando pelas cinco
torres residenciais que compõem o Horizonte del Pacífico, o campus Arauco da Duoc UC,
localizado na oitava região, e o recente prêmio DS19 de 5 edifícios entre os
edifícios região de Los Lagos e El Maule, responsável pela empresa Patagual Home.


Segundo especialistas, a chave para que esses avanços sejam mantidos e se movam para um novo patamar está no trabalho constante e na criação de consórcios. Esse foi um dos pontos que
Cristián Vial, Diretor Executivo do CIM UC, enfatizou mais na última edição da Semana da
Madeira.


“A colaboração é a grande maneira pela qual podemos começar a resolver esses
grandes desafios”, disse ele no contexto do seminário “Desafios de uma construção de
15 andares, experiência internacional e nacional”, realizado pelo Centro de Inovação em Madeira da UC

Além de explicar exemplos internacionais que ilustram a forma como a colaboração
está sendo fundamental para o desenvolvimento de vários projetos macro, o Vial usou a instância para
apresentar a proposta mais ambiciosa da CIM UC: a construção de um edifício de 15 andares
feito de madeira, ao qual ele disse que “propusemos criar um projeto
de país”.

“Acreditamos que a cidade do futuro tem que ser construída com madeira”, disse ele,
deixando publicamente um convite aos ministérios em áreas ligadas ao tema, às empresas
do mundo privado e aos acadêmicos interessados, independentemente de sua casa de estudos.

A construção desta obra está prevista para o ano de 2025, e a CIM UC está trabalhando
ativamente em seu progresso com estudos sobre dinâmicas e métodos de construção pré-existentes para adaptá-los às necessidades ambientais e sísmicas do nosso país. “Temos um desafio pela frente no CIM”, disse Vial, “esse é o grande sonho com o qual às vezes somos despertados, mas que, sem dúvida, alcançaremos”.

Fonte: Pagina V

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.