A casa unifamiliar Orueta Etxea, projetada pelo estúdio Emiliano López Mónica Rivera Arquitectos em Gautegiz Arteaga (Bizkaia), tornou-se um ícone da arquitetura em madeira e possui certificação Passivhaus de eficiência energética .

É um exemplo claro de sustentabilidade integral e economia circular, já que toda a matéria-prima é km0: desde o cascalho de Ereño e o calcário de Markina até a madeira, proveniente de um pinhal plantado pelo avô do proprietário em Mallabia .

Morar em uma casa de madeira traz grandes benefícios para seus usuários. Sendo um ótimo isolante natural, a madeira reduz os gastos com aquecimento e ar condicionado, transmite conforto e tranquilidade favorecendo maior descanso, regula melhor a umidade impactando positivamente na saúde e realiza o sonho de toda criança: morar dentro de uma árvore.

É o caso de Orueta Etxea, uma casa unifamiliar construída em Gautegiz Arteaga (Bizkaia) em 2021 no coração da Reserva da Biosfera de Urdaibai, que se tornou um ícone da arquitetura em madeira e da sustentabilidade ambiental graças à obtenção da certificação Passivhaus, que garante a máxima eficiência energética do edifício e a utilização de matérias-primas Km0.

De fato, todas as matérias-primas utilizadas para sua construção são de origem local: desde cascalho de Ereño, passando por calcário de Markina para a fundação, até madeira de lariço estrutural, de um pinhal próximo que foi plantado pelo avô do proprietário nos anos sessenta na cidade de Mallabia, nas encostas do Monte Oiz.

A casa foi projetada pelo estúdio de Barcelona Emiliano López Mónica Rivera Arquitectos , que assumiu o desafio de usar apenas materiais locais com baixas emissões de CO2 para sua construção, evitando completamente o uso de concreto. Assim, todo o projeto foi resolvido com madeira, derivados de madeira, pedra e vidro. “Optamos pela madeira pela facilidade e clareza de desenho e montagem, pela experiência que viver numa casa de madeira oferece aos sentidos e pela redução das emissões de dióxido de carbono que se consegue ao optar pela madeira em detrimento de outros materiais”, explica. os arquitetos responsáveis ​​pelo projeto.

A Egoin tem participado em todo o processo de construção habitacional, oferecendo as suas soluções na engenharia, fabrico e execução de estruturas de madeira, bem como na industrialização de elementos estruturais com componentes como isolamento e carpintaria exterior. Para este projeto, a construtora basca conseguiu levar ao limite a estrutura de madeira de lariço, pois, além de atuar como estrutura, serve como acabamento interior de todo o edifício, explorando toda a sua beleza e brilhando com todas as suas potencial estético e háptico.

Nesse sentido, como explica Egoin, “Orueta Etxea é o paradigma que melhor resume a filosofia e os valores da Egoin: a madeira como recurso construtivo em substituição ao concreto, o cuidado e respeito ao meio ambiente e o compromisso com o uso de matéria-prima local.

Um grande Lego de madeira

A casa está localizada nos limites do município de Gautegiz Arteaga, em Urdaibai, uma área natural declarada Reserva da Biosfera em 1984 pela UNESCO, e se adapta ao suave declive do terreno, respeitando o meio ambiente, dificilmente o modificando ou tocando. Grandes calcários Markina, sentados em poços cheios de lastro, levantam a casa inteira do chão para permitir que a terra e o ar circulem sob a casa.

A partir desta base única, como destaca López, “tudo é construído de forma industrializada, utilizando elementos estruturais de madeira que chegam ao local em peças usinadas em fábrica para montagem rápida como se fosse um grande Lego de madeira” .

O projeto respira madeira e faz um uso totalmente vanguardista dessa matéria-prima. A madeira ocupa todos os acabamentos exteriores, tanto nas fachadas como nas coberturas. No interior do edifício, toda a madeira estrutural foi deixada exposta com a aplicação de óleos naturais e tintas de silicato.

Da mesma forma, todos os materiais utilizados no interior do edifício são isentos de emissões de POP (poluentes orgânicos persistentes), garantindo uma elevada qualidade do ar.

Por seu lado, a madeira utilizada para o exterior é de pinho radiata com um tratamento natural acetilado que lhe confere propriedades mais duradouras em comparação com o clima temperado oceânico, típico da Reserva da Biosfera de Urdaibai, onde as chuvas são abundantes durante todo o ano. A este respeito, o telhado de duas águas em toda a casa expele a chuva criando uma cortina intensa em frente às grandes janelas e acumulando-se no perímetro da casa ao nível do solo.

Consumo de energia quase zero

O projeto e a construção da casa seguiram os padrões da Passivhaus , com o objetivo de obter um edifício com uma demanda energética muito baixa. Para isso, a construção do edifício contou com a assessoria do arquiteto Iñaki del Prim, do estúdio blancodelprim e especialista em arquitetura eco-passiva.

“Para obter o certificado Passivhaus Classic, que garante a extrema eficiência energética do edifício, tivemos que enfrentar uma série de desafios: desde a forma não canônica da casa dentro das recomendações do padrão Passivhaus, uma superfície de envelope maior térmica do que o habitual, pois a casa se eleva acima do solo, a enorme porta de correr de 7 folhas com perfis de alumínio que implicava uma perda de energia significativa, a simulação energética de detalhes construtivos inusitados, bem como o superaquecimento que as orientações poderiam causar da casa nas grandes janelas”, narra del Prim.

Neste sentido, o sistema construtivo em madeira utilizado na envolvente estrutural do edifício tem sido de grande ajuda, resultando num edifício de excecional qualidade arquitetónica, aliando eficiência energética e beleza, sob os requisitos da Certificação Passivhaus.

Graças a esta norma, e ao complemento de painéis fotovoltaicos que serão instalados no exterior, a casa tornar-se-á num edifício de energia positiva, dado que a geração de energia solar será superior à necessidade de consumo da casa, incluindo a carga de carros elétricos dos proprietários.

A casa obteve a classificação energética de classe A com um consumo energético de 22,43 kWh/m2 por ano e emissões de 3,83 kg de CO2/m2 por ano. A potência contratada com a concessionária é de 4,6 kW.

Fonte: Egoin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.