O Sara Cultural Center, um dos edifícios de madeira mais altos do mundo, com 20 andares, é retratado em 22 de fevereiro de 2022, em Skelleftea, Suécia.

Uma torre cor de areia brilha à luz do sol e domina o horizonte da cidade sueca de Skelleftea, enquanto a Escandinávia aproveita seus recursos de madeira para liderar uma tendência global de erguer arranha-céus ecologicamente corretos.

O Sara Cultural Center é um dos edifícios de madeira mais altos do mundo, feito principalmente de abetos e elevando-se 75 metros sobre fileiras de casas cobertas de neve e floresta circundante.

A estrutura de madeira de 20 andares, que abriga um hotel, uma biblioteca, uma sala de exposições e palcos de teatro, foi inaugurada no final de 2021 na cidade de 35.000 habitantes do norte.

As florestas cobrem grande parte das regiões do norte da Suécia, a maioria delas de abetos, e a construção de casas de madeira é uma tradição de longa data.

Os arquitetos suecos agora querem liderar uma revolução e orientar a indústria para métodos de construção mais sustentáveis, à medida que grandes edifícios de madeira brotam na Suécia e nos países nórdicos vizinhos, graças ao avanço das técnicas da indústria.

“Os pilares junto com as vigas, a interação com o aço e a madeira, é o que carrega os 20 andares do hotel”, disse à AFP Therese Kreisel, responsável pelo planejamento urbano de Skelleftea, durante uma visita ao centro cultural.

Até os poços dos elevadores são feitos inteiramente de madeira. “Não há gesso, vedação, isolamento na madeira”, diz ela, acrescentando que isso “é único quando se trata de um prédio de 20 andares”.

Materiais de construção ficam verdes

A principal vantagem de trabalhar com madeira é que ela é mais ecológica, dizem os proponentes.

O cimento – usado para fazer concreto – e o aço, dois dos materiais de construção mais comuns, estão entre as indústrias mais poluentes porque emitem grandes quantidades de dióxido de carbono, um dos principais gases de efeito estufa.

Mas a madeira emite pouco CO2 durante sua produção e retém o carbono absorvido pela árvore mesmo quando é cortada e utilizada em uma estrutura de construção. Também é mais leve, exigindo menos base.

De acordo com o painel climático do IPCC da ONU, a madeira como material de construção pode ser até 30 vezes menos intensiva em carbono do que o concreto e centenas ou até milhares de vezes menos do que o aço.

Os esforços globais para reduzir as emissões provocaram um aumento no interesse por estruturas de madeira, de acordo com Jessica Becker, coordenadora da Trastad (Cidade da Madeira), uma organização que faz lobby por mais construções de madeira.

A torre de Skelleftea “mostra que é possível construir este alto e complexo em madeira”, diz Robert Schmitz, um dos dois arquitetos do projeto.

“Quando você tem isso como pano de fundo para discussões, você sempre pode dizer: ‘Nós fizemos isso, então como você pode dizer que não é possível?'”

Apenas uma torre de 85 metros recentemente erguida em Brumunddal, na vizinha Noruega, e uma estrutura de 84 metros em Viena são mais altas que o Centro Cultural Sara.

Um edifício em construção na cidade norte-americana de Milwaukee e que deverá ser concluído em breve deverá conquistar o título de mais alto do mundo, com pouco mais de 86 metros.

‘Empilhados como Lego’

Construir o centro cultural em abeto foi “muito mais desafiador”, mas “também abriu portas para realmente pensar de novas maneiras”, explica o co-arquiteto de Schmitz, Oskar Norelius.

Por exemplo, os quartos do hotel foram feitos como módulos pré-fabricados que foram “empilhados como peças de Lego no local”, diz ele.

O edifício ganhou vários prêmios de arquitetura em madeira.

Anders Berensson, outro arquiteto de Estocolmo cujo material de escolha é a madeira, diz que a madeira tem muitas vantagens.

“Se você perdeu alguma coisa no corte, basta pegar a faca e a serra e ajustá-la no local. Portanto, é alta e baixa tecnologia ao mesmo tempo”, diz ele.

Em Estocolmo, um complexo de apartamentos feito de madeira, chamado Cederhusen e com telhas de cedro amarelo e vermelho na fachada, está em fase final de conclusão.

Já foi eleita a Construção do Ano pela revista sueca da indústria da construção Byggindustrin .

“Acho que podemos ver as coisas mudando nos últimos anos, na verdade”, diz Becker.

“Estamos vendo uma grande mudança agora, é uma espécie de ponto de inflexão. E espero que outros países entendam, vemos exemplos até na Inglaterra e Canadá e outras partes do mundo.

Fonte: VoaNews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.