Localizado às margens do Lago Saint-Louis no Parque Grande-Anse, o Centro Náutico Baie-de-Valois permite que os cidadãos de Pointe-Claire recuperem as margens deste parque usado por uma comunidade de 4.000 pessoas a cada ano. Graças a um edifício que incorpora novas tecnologias verdes, este projeto contribui para ajudar o município a combater as alterações climáticas.

Parques como o Grande-Anse têm um tráfego excepcional desde 2020. Muitos cidadãos estão pedindo aos seus municípios novos investimentos em parques, a fim de torná-los lugares unificantes e inclusivos.

Além de substituir o antigo chalé em ruínas, as novas instalações também melhoram as atividades náuticas oferecidas aos moradores. A disposição do local e do edifício promove a acessibilidade a uma clientela diversificada de todas as idades. Um novo salão comunitário com capacidade para 100 pessoas possibilita a realização de eventos.

Inspirado na estratificação geológica, o projeto é composto por diferentes camadas que evocam a paisagem circundante. A cobertura inclinada lembra a copa das árvores, o revestimento de madeira remete ao ritmo dos troncos das árvores em uma área arborizada, enquanto a base do edifício evoca a volumetria de um costão rochoso.

Um segundo terraço recuado permite apreciar a paisagem em todas as estações, sob o qual é erguido um depósito que permite uma visão clara do Lago Saint-Louis.

A cave, mobilada com escritórios, espaços de arrumação e balneários com cacifos, está disponível para velejadores, grupos de day camp, bem como para quem pratica canoagem e caiaque ou aluga um barco.

Um projeto bioclimático

Vários princípios bioclimáticos foram integrados ao projeto do pavilhão comunitário do Parque Grande-Anse. A geometria da cobertura, conceito forte do projeto, desempenha um papel preponderante na redução do consumo de energia. De fato, a articulação da cobertura foi pensada de forma a otimizar os ganhos solares passivos. Na temporada de verão, os raios solares são bloqueados pela saliência acentuada do telhado no lado sudoeste do edifício, a fim de limitar os ganhos de calor no interior do edifício. No inverno, sendo o ângulo de radiação solar menos pronunciado, o sol pode penetrar diretamente nos espaços e, assim, contribuir para um fornecimento passivo de calor.

Uma grande claraboia de abertura permite a ventilação natural dos espaços, além de permitir o acesso à luz natural difusa no salão comunitário. A utilização de uma membrana de cobertura branca em toda a cobertura reflete a luz para limitar os ganhos térmicos no edifício. Parte da água da chuva na cobertura é redirecionada estrategicamente no local nas zonas de filtragem previstas no paisagismo.

A madeira de freixo recuperada como parte da luta contra a broca do freixo esmeralda foi utilizada para o acabamento interior, bem como para os intradorsos. Além de contribuir esteticamente para o projeto, essa reavaliação desse material também contribui para a captura e sequestro de carbono.

Fonte: Cecobois

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.